segunda-feira, agosto 31, 2009

O MELÃO DE ALMEIRIM QUE AFINAL . . . É DE ALPIARÇA!


Embora tenha a designação de "melão de Almeirim", este maravilhoso fruto é cultivado e produzido na sua maioria pelos seareiros de melão de Alpiarça que se deslocavam há décadas para os campos do Vale do Tejo, mais propriamente, a lezíria de Vila Franca de Xira.

As primeiras sementes de melão que se conheciam nos anos 50-60 eram a do chamado “cotim à militar”. Esta era um fruto cinzento de qualidade precoce, mas que se aguentava pouco tempo depois de apanhado. Ao longo dos anos foram aparecendo várias espécies de melão, como o casca de carvalho ou o melão preto, fruto bem apresentável e saboroso que se aguentava mais tempo nas pargas debaixo dos sombreiros, e mais rijo para os mercados. Tinha que haver muito cuidado com esta espécie porque com temperaturas altas queimava-lhe a pele (ficava chapado) e perdia valor comercial. Tinha que ser tapado com palha de arroz para evitar essa queima. Este tipo de melão ainda predomina.
Apareceram também os melões dos “Seareiros de Alpiarça”, os “Saturninos”, o “Doiradinho”, o “Pêro”, o “Bicha-Gata” e o “Manuel António”. Este último foi e continua a ser uma qualidade de excelência. Manuel António foi um produtor de melão que ao longo dos anos seleccionou e revolucionou a produção deste fruto. Era e é um melão dourado e alinhavado com muito boa apresentação comercial. Também este e outros atrás citados tinham que ser tapados quando havia temperaturas altas. Nos anos 70 começa-se a produzir o melão branco.
De início houve dificuldade na entrada deste tipo nos mercados, mas a pouco e pouco penetrou bem na produção e comercialização. Além de ser uma espécie bem apresentável e de boa finalidade, tem também uma grande virtude que é a de não se queimar (chapar), uma vez que os raios solares são “sacudidos” pela brancura do melão.
Uma outra espécie deste fruto é o chamado “Pele-de-Sapo”, que juntamente com o melão branco são hoje os mais apresentados no mercado. Conhecido como “melão de Almeirim”, este fruto é, como se disse, cultivado e produzido na sua maioria pelos seareiros de melão de Alpiarça. Estes deslocavam-se todos os anos para os campos do Vale do Tejo, como de Valada do Ribatejo, Azambuja e Vila Franca de Xira, para se instalar em terras arrendadas. Desde os anos 50 até aos anos 80 essa deslocação era mais acanhada, na medida em que os transportes eram ainda pouco significativos.
Centenas, de famílias, partiam de Alpiarça levando consigo a chamada “tralha”, o que queria dizer uma autêntica casa mudada. Hoje as coisas são totalmente diferentes, com os avanços das novas tecnologias como o emprego do plástico, a fita de rega de gota-a-gota, mecanização moderna e transportes adequados.

(Autor do texto: Álvaro Brasileiro - antigo produtor de melão, já falecido)
Informação recolhida na Região de Turismo do Ribatejo)
Foto: tirada da net

5 comentários:

Méon, disse...

Bem a propósito.
Também conheci seareiros do melão, que conseguiram fugir da miséria e ganhar uns cobres com as safras sazonais, que começavam por volta de Março e iam até quase ao fim do Verão. Faziam umas barracas de madeira e lá viviam aqueles meses.
Muitos conseguiram fazer uma nova casinha em Alpiarça com o que ganhavam com esse trabalho, que era duro por não ter horas e ser feito ao calor, em campos abertos onde raramente havia a sombra de uma árvore.

Obrigado por esta homenagem aos seareiros do melão, os "meloeiros".

Maria disse...

Lembro-me de, quando era miúda, o meu pai comprar carradas de melão em Alpiarça - de almeirim!!!
Depois os melões eram pendurados em redes num tecto de uma arrecadação e tínhamos melão muito para além da época dele...

Beijo, Ana
(ontem não consegui comentar-te.)

as-nunes disse...

Se calhar até nem vem a propósito, mas veio-me à lembrança, os velhos tempos dos anos 60. A frequentava toda aquela zona onde hoje está instalado o Hotel Grão Vasco, em Viseu, um grande baldio, ficava sobranceiro a uma rua onde costumavam estacionar camionetas carregadas de melões.
Bem, está-se mesmo a ver. Aquela tropa-fandanga, sempre que as coisas se proporcionavam, serviam-se duns quantos daqueles saborosos frutos e era um regabofe.

E é assim a vida. Agora, quando acontecem situações destas, fico todo abespinhado, falta de civismo, falta de educação, malandros, etc!
Bem bons que eram aqueles melões!...de todas as variedades!

Abraço
António

Paula Raposo disse...

Obrigada pela partilha. desconhecia em absoluto. Beijinhos.

Ana Patudos disse...

Meon
São as raízes do povo alpiarcense que desde sempre trabalhou as terras da lezíria ribatejana.
Abraço
Ana Paula

as-nunes
O verdadeiro melão de Alpiarça é realmente este verde escuro, depois existem outras variedades
(branco) que se cultivam um pouco por todo lado inclusivé nos campos de Almeirim
Agora até em Marrocos se cultiva melão ribatejano :))
abraço
Ana Paula


Maria
É parte da história do povo de Alpiarça e suas raízes, contado na 1ª pessoa do senhor Álvaro Brasileiro ( falecido recentemente)
abreijos
Ana Paula


Paulinha
Pelo que já disse anteriormente aos nossos amigos, é esta a verdadeira história deste melão delicioso.
bjos
Ana Paula