segunda-feira, maio 03, 2010

RECORDANDO O GRUPO CÉNICO INFANTIL DE ALPIARÇA EM 1966


Na foto da esquerda para a direita: Fátima Rodrigues, Ana Maria André, Teresa Peixinho, Adelaide Sá Pereira. Em baixo: Maria Fernanda da Rama, e Marlene. O "fadista" José Manuel.





(documento e fotos minhas)
ampliar para melhor visualização

5 comentários:

Méon, disse...

Olá, Ana Paula.

Peço desculpa mas acho conveniente fazer uma rectificação.

Este programa de que nos mostra as imagens, não é do Grupo Cénico Infantil de Alpiarça. Esse grupo, em 1966, já estava extinto, pelo menos não se apresentava em público há alguns anos, ele teve o seu período de apogeu nos meados dos anos 50. Chava-se "infantil" porque não tinha adultos no seu elenco. Claro que era dirigido pelo António Flor da Silva (que todos tratavam por Sr. Tó) e tinha como músicos o sr. Armando Raia (enfermeiro, pai da Fátima Catela e do Jorge Catela)e o sr. Figueira Padeiro, conhecido por "queijeiro", exímio acordeonista. O cenógrafo era o sr. Dinis.

Em 1965 ou 66 foi necessário comprar novos bancos para a igreja de Alpiarça, são os que lá estão, de altíssima categoria, em madeira excelente, feitos na carpintaria do sr. Gameiro, que ficava pegada ao cemitério velho. Mas foi uma enorme despesa e não havia dinheiro. Alguém teve a ideia ( talvez o sr. Tó) de se fazer um Grupo Cénico que fizesse uns espectáculos para angariar dinheiro. E a ideia foi para a frente. Os nomes que aparecem no programa são o sr. Gilberto, que era o encarregado da carpintaria do Gameiro; o sr. Ribeiro Duare, meu pai, que era sacristão e ajudante de guarda-livros na tal carpintaria; a D. Graciosa Carmona que era telefonista, catequista e escrevia na Voz de Alpiarça a rubrica "A mulher no Lar" ( que continua a escrever, 50 anos depois...); o sr. Francisco Santos, que era ajudante de farmácia na Farmácia Leitão; o Eduardo Geraldes que era um dos donos de uma casa de modas perto da Igreja, sócio do António Lopes, este já falecido há muitos anos; o António Alberto, que era tb ajudante na Farmácia Aguiar, perto da sede dos Águias; a Maria Dulce, que morava na minha rua ( Luís de Camões, numas casa baixinhas em frente de onde é hoje o Rest. Nortenho; o sr. Hermes de Carvalho, conhecido por "Samirra", que tinha uma data de filhos e era o homem mais feio que eu conheci, mas muito pândego; o João Pestana, muito míope, que parecia que tinha fundos de garrafas nas lentes...
Estes são os que me lembro. Recordo que também andavam por lá algumas rapirogotas como a Alice Leonilde, que cantava muito mal mas fazia uns olhos que me matavam...- eu tinha 19 anos!!!!

Portanto, e para concluir, que isto foi mais uma recordação e não quero dar seca: tratou-se de um grupo cénico para angariar fundos. Eu colaborei com trabalho de bastidores: fazia cartazes, ajudava no que era preciso...
A Ana Pula já mostrou outras fotos deste grupo, que eu lembro-me, e numa delas estava o meu pai e o resto do grupo, salvo erro em Fátima, onde foram para agradecer à Virgem o apoio nesta iniciativa.

Esta confusão entre os dois grupos cénicos também é feita pelo sr. que fez a monografia sobre Alpiarça, "Gentes de outro ver".

Pronto, Ana Paula, desculpe o arrazoado. Mas foi para esclarecer a verdade dos factos, dado que a Ana Paula nessa altura ainda não era viva...

Beijinho conterrâneo.

Paúl dos Patudos disse...

Olá meu amigo
Tudo o que aqui escreveu está certo.O Grupo entretanto extinguiu-se.
Mas o Grupo que veio a seguir também continuou a chamar-se Grupo Cénico Infantil de Alpiarça ao qual eu pertenci apartir de 1968 até aos meus 15 anos.
Com o desaparecimento do senhor Tó acabou tudo, o que foi uma pena.
Obrigado por toda a informação, pelo menos para aqueles que desconheciam a história do Grupo.

Abraço conterrâneo
Ana Paula

Paúl dos Patudos disse...

Nasci em 1961 e lembro-me de todas as pessoas que aqui descreve pois também se cruzaram na minha vida e até o fadista Zé Manel (apadrinhado pelo António Mourão) foi meu marido e é o pai do meu filho mais velho. Tantas histórias para lembrar meu amigo méon, tantas histórias...

Méon, disse...

Sim, é verdade Ana Paula, tantas Como você sabe, a D. Fernanda, viúva do Tó Flor, ainda é viva. Segundo me disse há anos a Fernanda Pacheco, que foi a primeira vedeta do Grupo Cénico (irmã da Gina Pacheco, agora viúva do João Tavares), e que mora no Algarve, a D. fernanda deve ter todo o arquivo do primeiro grupo cénico infantil de Alpiarça. E ele tem muitas memórias, recortes de jornal, etc.
Lanço-lhe um desafio, Ana Paula: porque é que não faz uma pequena monografia com a História do Grupo?
Era lindo, ainda há muita gente viva desse grupo, como a tal Gina, que é minha amiga de infância e mora na Rua da Palma ( Pedro Álvares Cabral), o Jorge Catela e irmã, e tantos outros. Você tem essa responsabilidade, minha amiga! E era uma obra para ficar...

Lembrei-me agora: o programa do Grupo Cénico que você agora postou tem o nome da Isabel Fino. Coitadita, já lá está há tantos anos! Morava perto de mim e éramos amigos...

Beijinhos conterrâneos! Fique bem.

Paúl dos Patudos disse...

Quem sabe num futuro próximo deitarei mãos à obra sobre o assunto. Agora é de todo impossível pois os estudos roubam-me muito tempo mas quem sabe um dia não o faça.
bjos
Ana Paula