segunda-feira, março 12, 2007

Santarém , vielas, travessas, becos, azulejos, portas, tanta coisa a descobrir ao virar da esquina...





Viela de sol e sombra...






Toponímia / Largo Padre Chiquito...



Estes paineis de azulejos estão na frente de um estabelecimento comercial já do tempo da 1ª República...



E cada um deles tem uma particularidade...




Há sempre um ou mais azulejos que não fazem parte do conjunto...





A explicação é : como são muito antigos e valiosos, para não serem roubados, retiraram aqueles que os completam...

Há cada ideia, que só mesmo no nosso país é possível acontecer




Viela...





Toponímia de ovo estrelado?





Aguardo a carta que tarda em chegar...




Busque Amor novas artes...

Busque Amor novas artes, novo engenho,

para matar-me,e novas esquivanças;

que não pode tirar-me as esperanças,

que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!

Vede que perigosas seguranças!

Que não temo contrastes nem mudanças,

andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, conquanto não pode haver desgosto

onde esperança falta, lá me esconde

Amor um mal, que mata e não se vê.

Que dias há que na alma me tem posto

um não sei quê, que nasce não sei onde,

vem não sei como, e dói não sei porquê.

Luis Vaz de Camões











6 comentários:

Maria disse...

Oh, e por aqui também andei...

Beijo, Ana

Teresa David disse...

é curioso como quando se tem sensibilidade se capta sempre imagens tão belas dos sítios que amamos. Os azulejos lembram os da Cervejaria Trindade, local da história do Homem da Barateira. A propósito, já tenho nova história.
Bjs
TD

Paula Raposo disse...

Gostei muito de passar aqui! Beijos.

avelana disse...

hoje sei porque me dói...

beijos para ti

viajante disse...

AZULEJOS É COMIGO (quem o diz está do outro lado do Mar )
Mas estes são magnificos. E as fotos, lindas. Continua com o Ribatejo do nosso Encantamento.

Luis Eme disse...

Santarém, mesmo meio abandonada e em crise, não perde a beleza.

Ou será que são os nossos olhos, Ana?